sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Crianças afetadas pela violência continuam a ser negligenciadas

ÍNDIA - As crianças continuam a ser negligenciadas e impedidas de estudar, ainda três anos após os ataques que ocorreram em Kandhamal. De acordo com um ativista dos direitos das crianças, Mahendra Parida, milhares de crianças ainda estão desanimadas e não recebem nenhum apoio do governo.

Depois da violência ocorrida em 2008, diz Parida, as crianças foram obrigadas a abandonar as escolas e a ingressar em massa no mercado de trabalho. Parida apresentou suas descobertas em uma audiência pública, em âmbito estadual, pela Comissão Nacional de Proteção dos Direitos da Criança (NCPCR).

Os horríveis incidentes de violência ocorridos em Kandhamal tiveram um impacto muito negativo na vida das crianças e muitas delas ainda carregam traumas pelo ocorrido, disse Parida .

O distrito de Kandhamal foi o epicentro da violência anticristã, entre agosto e outubro de 2008, quando centenas de igrejas foram queimadas e milhares de pessoas foram forçadas a fugir de suas residências e de suas comunidades, que sofreram com as multidões violentas.

Enquanto milhares de crianças foram obrigadas a sair das escolas, muitos outros fugiram para lugares distantes em busca de alternativas para sobreviver. Além disso, a falta de acesso adequado à alimentação e nutrição provocou uma grave deterioração na saúde dessas crianças.

De toda a população afetada pela violência, quase 36% tinham menos de 18 anos de idade. Parida apresentou suas descobertas na quarta-feira, depois de interrogarem mil diferentes famílias atacadas, que moravam em Kandhamal.

Dr. Shantha Sinha, presidente da NCPCR, alegou que o governo do Estado não tomou as medidas e recomendações necessárias e eficazes para que a vida dessas crianças tivesse melhorias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário